14 de dezembro de 2015

Ele era

Eu precisava ter pra quem contar as minhas aflições e anseios, mas só reparei isso quando ele chegou. Antes disso, eu não sentia nada. Diziam que eu não tinha coração, porque eu não sabia ainda o que era sentir saudade, mas descobri o que era quando ele chegou. E eu odiei. !Odiei! Sentimento tão ácido que corrói. Perfura as camadas mais profundas da alma, promove vácuos internos de solidão e carência e destrói a carne. Isso, porque a saudade é tóxica. Sentir falta de alguém é exatamente o mesmo que sentir stress: prejudica a rotina. Prejudica a mente. Mas, assim como o stress, a saudade pode ser revertida em algo bom, porque ela é sinônimo de amor. Sentir a falta de alguém é saber que ama, que se importa. E eu passei a entender isso depois que ele foi embora.
Eu achava que eu precisava de alguém para ser a minha saudade. Experimentar esse sentimento que é veneno e cura, simultaneamente. E ele era a minha saudade. Mas, não é mais.
                                                                                                                                     Infelizmente.